origem
Eusébio +10: Se o Benfica fosse o Benfica...

segunda-feira, 23 de setembro de 2013

Se o Benfica fosse o Benfica...

É-me difícil formar uma opinião sobre o que se passou ontem em Guimarães....

Para todos os efeitos, Jorge Jesus tentou impedir um elemento da PSP de deter um adepto que invadiu o relvado, tendo para isso usado uma postura agressiva e autoritária para com os agentes da polícia. Diga-se o que quiser, os factos são estes... é verdade que o dito espectador não estava a fazer nada de mal, é verdade que se estava em ambiente de festa, é verdade que os agentes poderiam ter adoptado uma postura muito menos violenta, mas ainda assim, os factos são simples: o treinador do Benfica, em pleno exercício das suas funções, em frente a dezenas de câmaras de televisão, decidiu interpor-se entre um polícia e o seu dever, e através da força tentou impedir o agente de efectuar uma detenção.

As consequências deste acto, mais ou menos pensado, são espantosas. Hoje, em vez de se discutir a miserável exibição do Benfica, a falta de entrosamento de Djuricic, a falta de fulgor de Matic, os dois penaltis roubados ao Benfica, o chouriço de Rui Vitória, a classe de Marco Silva, as alarvidades de Paulo Fonseca, ou a agressão de Adelino Caldeira, fala-se é da confusão de Jesus com a policia... E entre vídeos virais e ameaças de suspensões de 3 anos, eleva-se um coro de elogios entre os adeptos do Benfica, levando a crer que Jesus finamente lhes tocou no coração. Qual rolo compressor, qual potenciador de talentos... afinal, bastou a Jesus andar à porrada com um polícia para cair nas boas graças dos adeptos... se LFV soubesse, por esta altura já tinha arreado numa carrinha cheia de polícias de intervenção.

E assim temos: um funcionário do Benfica a fazer figuras tristes e a desprestigiar a imagem do clube que lhe paga principescamente; adeptos a regozijar com a empatia sentida pelo Mister em mais um momento de violência gratuita contra os adeptos; o Conselho de Disciplina a esfregar as mãos de contente; um silêncio sepulcral sobre o que verdadeiramente interessa (qualidade do futebol praticado e mais uma arbitragem escandalosa).

Afinal consigo ter opinião sobre este assunto: Jesus continua, semana após semana, a envergonhar o Benfica e toda a sua história assente nos valores morais de um clube honrado. Os adeptos do Benfica, à imagem do seu Presidente, parecem desconhecer esses mesmos valores morais, e elevam estas atitudes violentas, boçais, e vergonhosas às de um profeta a quem juram cegamente a sua fidelidade.

Se o Benfica fosse o Benfica, Jorge Jesus tinha sido despedido com justa causa imediatamente após este incidente, e Marco Silva ocuparia (humildemente e orgulhosamente) o seu lugar. Se o Benfica fosse o Benfica...

7 comentários:

Nuno disse...

quem sabe isto nao é uma porta aberta para resolver um problema?

Nuno disse...

(ou transformar um problema numa oportunidade)

João disse...

Nuno,infelizmente, e como temos vindo a dizer vezes sem conta, o problema não é o Jesus. O problema é Vieira e este segmento de adeptos Benfiquistas que veneram estas atitudes à Porto. Jesus é apenas um sintoma desta quebra de valores... da imbecilidade que impera nas bancadas e na tribuna, onde os assobiadores e os mentecaptos vibram com estas selvajarias ridículas. Despedir Jesus vai ser sempre um cataclismo.... Já tivemos muitas razões para despedir Jesus e nunca o fizemos. Se o despedissem agora por defender um adepto seria o fim do mundo.

João disse...

http://serbenfiquista.com/usernews/v%C3%ADdeo-amador-mostra-atitute-pacificadora-de-jorge-jesus

Este video é esclarecedor quanto à irrelevância de todo este episódio... mas não muda os factos: Correu pelo mundo todo as imagens de Jesus a distribuir castanha pelos policias... é irrelevante, vergonhoso e desnecessário.... e repetitivo, sempre com o mesmo protagonista...

Diogo disse...

joao,

e' isso tudo e mais alguma coisa. como bem disseste, o Jesus e' apenas mais um episodio da portizacao do Benfica desde a entrada de Vieira em cena (recomendo a leitura do post no Ontem sobre a mesma portizacao).

Os que acham que Jesus e' um heroi porque mandou um soco a um policia sao os mesmo que reservam o Marques sem nada ganho, sao os mesmo que assobiam o Cardozo, o Artur, o Aimar, sao os mesmos que, perdendo tudo em 4 jogos dizem "epa', mas samos munta fortes! e ja' fostes ao museu?"

Nao acho que despedir JJ seja um cataclismo. Peca por tarde, se acontecer. Mas uma saida de JJ do Benfica nao vai alterar os rumos: vamos continuar a apoiar incondicionalmente o Nandinho das facturas, vamos culpar JJ mas nao culpar Vieira, vamos achar que DSO e' um autentico Adam Smith que tem sido sub-aproveitado, e vamos continuar a achar que RC (ou alguem com mais anos de Benfica que Vieira e esta trupe de adeptos de ocasiao) e' (sao) um abutre.

Enfim...

Siga pra bingo!

Diogo disse...

Uma adenda: foda-se, nao se pode contratar o Marco Silva ja'? Ou vamos esperar ate' que o Fonseca va' para a Arabia para depois virem os espertos para os jornais aplaudir a perspicacia do flatulento de contumil em apostar em treinadores jovens e portugueses?

Nuno Cardoso disse...



Se o Benfica fosse Benfica, todos tolerariamos as opiniões alheias.


Retirado de um outro blog:
Ontem achei que o que se passou em Guimarães foi mau pelo descontrolo emocional e pelas eventuais implicações que daí adviriam. Hoje, após ter visto um vídeo filmado a partir da bancada, percebi melhor a reacção do Jorge Jesus e tornei-me mais tolerante relativamente ao que se passou.

Além disso, a nossa equipa de futebol precisa de tudo neste momento excepto da suspensão do treinador. Não entendo o que é que um benfiquista ganha, no presente, com um ataque ao seu treinador, contribuindo assim para o circo que entretanto se montou. Já quase ninguém se lembra da conferência de imprensa patética do Paulo Fonseca e esse é um tema que prefiro explorar.

Por último, faz-me uma enorme confusão como se apregoa o verdadeiro Benfica ignorando-se que tivemos, ao longo da nossa história, vários episódios em que, primeiro, estava o Benfica, depois, o resto, incluindo a autoridade, governos, outros clubes, etc.


Goste-se ou não, o Jorge Jesus é o treinador da equipa principal de futebol do Benfica. Por ilegal que seja, o rapaz que entrou dentro do campo é benfiquista e tudo o que pretendia, para além de exteriorizar a sua alegria, era uma camisola do glorioso. Por legítimo que seja, e não é, o abalroamento sofrido pelo adepto, este não deixou de ter, em cima de si e a escassos metros do nosso treinador, quatro idiotas que sofreram de excesso de zelo e lhe aplicaram força exagerada e injustificada no regresso à bancada.

Vistas as coisas com calma, fez muito bem o nosso treinador, mesmo que venha a ser prejudicado e, com isso, saia o Benfica prejudicado também porque mais prejudicados seríamos, enquanto clube, se a indiferença se sobrepusesse à emoção.

Poderia ter sido menos intempestivo? Sim, poderia. Mas prefiro valorizar a defesa de um benfiquista. E foi isto que o Jorge Jesus, se bem que atabalhoadamente, fez.