origem
Eusébio +10: Dezembro 2007

quinta-feira, 20 de dezembro de 2007

tenho um pressentimento...

... que a renovação do Leo não está dependente do valor do seu salário nem da duração do contrato, mas sim de um singelo pormenor vulgarmente conhecido como a comissãozinha do empresário.

E agora ou o Benfica paga as luvas ao homem ou o Leo vai ter de escolher entre o Benfica ou o seu chulo. Estou muito curioso para ver como vai acabar esta historia.

segunda-feira, 17 de dezembro de 2007

tacticas

Foi o segundo jogo em que não vesti a camisola da sorte (a dos 6-1) e foi o segundo jogo que perdemos desde então. Começo a sentir-me mais culpado que o Cardozo a falhar golos na pequena área.

Após alguns dias a matutar se devia ir ao restelo ou não, acabei por ter um pressentimento que a coisa ia correr mal. Não vi, ouvi, li nada sobre o jogo, excepto o comentário do Camacho no final. Está mais que visto que este Benfica ou deixa a pele em campo ou não ganha a ninguem.

Não vou fazer qualquer cometário ao jogo de Sábado, antes comentar o que se vai passando na gestão do plantel em periodo de reforços.

Antes de mais, recomendo vivamente a crónica do Freitas Lobo sobre o dispositivo táctico de Benfica, com a qual eu concordo em absoluto. Diz ele que o Camacho desde o primeiro dia se mantem fiel ao 4-2-3-1, e variações desse sistema existem apenas na cabeça dos adeptos, que ao verem o Nuno Gomes em campo assumem que estamos a jogar em 4-4-2. Sejamos claros, tácticamente o Benfica joga sempre, sempre, sempre da mesma maneira, mudando apenas consoante as caracteristicas dos jogadores que são colocados no tabuleiro.

Ou seja, na direita do meio campo já passou o Maxi (que garante muita consistência mas nenhuma velocidade), o Di Maria (q mete muita velocidade mas perde 90% das vezes a bola sozinho), o Assis (que é um misto dos dois, acima de tudo inconsequente)... mas a movimentação da equipa nunca se alterou por jogar um ou outro.

Na dupla do meio campo defensivo isso ainda é mais visivel. Vejamos, já lá passaram o Petit, Katsouranis, Bynia, Rui Costa e Maxi. Com o Rui Costa nessa posição ganha-se muitissimo em termos ofensivos com o jogo muito mais pensado desde trás mas perde-se muito em poder de choque e nas recuperações de bola. Com o Bynia o meio campo fica super musculado mas perde todo o discernimento. Com o Katso não percebo muito bem o que ganha porque eu não o vejo mas sou incapaz de dizer mal. Resumindo, com uns ou outros ganha-se e perde-se qualquer coisa, mas a disposição táctica da equipa nunca muda, as movimentações dos restantes jogadores são sempre as mesmas.

Na frente é que está a grande confusão dos adeptos. Atrás do ponta de lança tem jogado o Rui Costa ou o Nuno Gomes (o Di Maria e o Bergessio não contam). O jogo do Benfica muda com um ou com outro? Claro. O Rui Costa tende a chegar-se para trás e a vir buscar a bola, e o Nuno foge mais para a baliza e procura tabelar de primeira com os companheiros. Um e outro contribuem de formas diferentes mas a movimentação do resto da equipa muda num todo? nem um milimetro.

Ou seja, este Benfica está amarrado a um modelo imposto por Camacho onde só alguns encaixam. Obrigando Rui Costa a jogar no apoio ao ponta de lança, Di Maria a médio direito, ou Katso numa parelha de trincos, Camacho está a tentar encaixar circulos em quadrados, não dá, não rendem eles e a equipa tácticamente não desenvolve. Relembro o que disse o Carlos Daniel quando afirmou que no Benfica "não se corre para jogar, anda-se - como malucos - a jogar para correr" ou mesmo o Freitas Lobo quando diz que ainda não deu para perceber o valor de Di Maria, Adu ou mesmo Cardozo, porque estes ainda não tiveram a oportunidade de mostrar quem são.

Nesta reabertura de mercado, das duas uma: primeiro, ou Camacho encontra os interpretes certos para o seu modelo táctico onde faltam claramente um (ou dois) box-to box e um médio direito, e despacha todos os outros que independemente do seu valor não encaixam nesta equipa (Assis, Di Maria, Adu, Bergessio, Mantorras, etc) . Ou, segundo, procura jogadores que lhe permitam potenciar o que tem jogando de outras formas, nomeadamente um 4-3-3 como o do Porto assente em 3 medios centro muito seguros e 3 jogadores rápidos e criativos (onde o Di Maria encaixaria como uma luva), ou um 4-4-2 como o do Sporting com um só trinco, consistencia no meio campo e dois homens de área.

Eu confesso que não tenho a resposta certa para esta questão. Custa-me sim, ver o Benfica andar a gastar uma fortuna em Di Marias e Adus quando estes nem se aproximam do perfil de jogador que o treinador quer, e pergunto-me, o tal Chelito vem tirar o lugar a quem? é ele que vem marcar os golos todos que o Cardozo aparentemente não tem marcado? Brincamos.

Ao Camacho deixo alguns cenários:
- se quer continuar a apostar no seu 4-2-3-1, é essencial encontrar um médio direito ao estilo de Rodriguez, passar o Maxi para lateral, dar oportunidades ao Adu como alternativa ao Rui Costa, encontrar quem de luta ao Cardozo como numero 9, e acima de tudo ensinar a nossa dupla de trincos (sejam eles quem for: Petit, Bynia ou Katso) a jogar à bola. Por muito que nos custe e independentemente do seu valor, jogadores como Nuno Gomes, Di Maria, Bergessio, Nelson, Coentrão podem todos arrumar as botas porque não têm lugar.

- um 4-3-3 poderia funcionar se ao Di Maria se juntasse um jogador tipo o tão falado Chelito. Mas nesse caso faria falta um ponta de lança muito mais rápido e ágil que o Cardozo. O meio campo ficaria mais ou menos na mesma com dois trincos e um maestro que seria obrigado a dar bem mais à perna que o Rui Costa.... Ora bem, neste cenário encaixam os jogadores tipo Coentrão e Manu mas deixa de haver espaço para o Rodriguez, Nuno Gomes, Bergessio, Assis, Maxi, etc. e tinhamos de abrir os cordões à bolsa para ir buscar o Chelito e outros alas do género.

- talvez o mais simples seja apostar no 4-4-2 mas para isso precisa de fazer uma pequena revolução no meio campo. Apenas um trinco (Petit ou Bynia), dois interiores (que até podem ser Rodriguez, Maxi ou Assis, que têm de jogar em diagonais ao invés de colados às linhas como parece querer Camacho), Rui Costa (ou Adu) a #10, e dois homens de área como Cardozo e Nuno Gomes, mas o ideal seria ir buscar novo goleador ao estilo do tão falado Chevanton. Neste cenário o Chelito nao faz falta e podia ficar no Mexico, e claro, alas como DiMaria e Coentrão teriam de ir à vida deles. Leo e Nelson como laterais rápidos e ofensivos seriam essenciais. E Katsoranis teria de voltar para central....

Camacho precisa de tomar decisões em vez de se limitar a pedir o que parecem ser bons jogadores. o Benfica tem bons jogadores, que infelizmente parecem não encaixar uns nos outros, uma pesada herança do FS cuja unica responsabilidade recai unica e exclusivamente sobre os ombros de LFV. Somos um caso flagrante onde o valor do todo é bem inferior à soma dos valores individuais...

Entretanto, Camacho que passe as férias do Natal a ensinar o nosso meio campo defensivo a jogar à bola porque Petit, Bynia e Katso parecem infantis na forma como se movimentam e circulam a bola. Enquanto o Petit não renascer, volto à minha teoria que a posição 6 não pode estar entregue a quem percebe tão pouco de futebol, seja ele quem for.

Ah, e garanto-vos que mais um jogo como o de Sábado onde o Rui Costa é o unico a correr e bem podem começar a pedir um novo maestro ao Pai Natal

segunda-feira, 10 de dezembro de 2007

Paciencia

muito breve:

- que bom ver que não dependemos do Rui Costa e do Rodriguez. Continuamos a ganhar jogos mesmo jogando mal.

- 2 avançados, pois claro.

- depois de meses a dizer mal dos cantos do Rui Costa, finalmente Di Maria e Nuno Assis vieram dar-me razão. Bolas tensas perto da baliza que em 45 minutos deram uma bola ao poste, um golo, e muitos landes de perigo. Rui, és o maior, mas aquelas cagadinhas pingadas a que tu chamas cantos não servem para nada.

- os lancamentos do Bynia deviam ser melhor aproveitados. Luisão e Ed Carlos só subiam nos cantos porque? se o Bynia la mete a bola com a mao melhor que o Rui com o pé porque é que a cavalaria não sobe? Viram ontem o bynia a preparar-se para lançar a bola e durante alguns segundos mandar o Cardozo afastar-se mais? o Cardozo estava na pequena área e a bola acabou por lhe passar um metro por cima.

- butt, tas aqui tas ali, ou melhor, em janeiro ja estas ali.

- Bynia é omnipresente e mais uma vez não gostei do Petit.

- mantorras e Adu deviam ter entrado ao intervalo. Não percebo o que é que o Di Maria terá feito a mais que o Adu para já ter tido tantas oportunidades (desperdiçadas).

- uma ultima nota para mais uma Xistrada a roçar a comédia. A partir do momento que a Académica reduziu, o relvado inclinou-se uns 15%.

quarta-feira, 5 de dezembro de 2007

frio, euforia, e parvoice

Faz frio na Ucrania. Em Boston tambem. Por isso percebo bem as palavras do Rui Costa no fim do jogo quando diz que jogar com tanto frio e' tramado. Nao duvido, rapaz. Mas os nossos rapazes encheram-se de ganas e aqui vai disto. O Cardozo, que muito tem sido criticado, fez o gosto ao pe e pimba, logo 2. E' assim mesmo. De resto, parece-me que o jogo foi sofrido, com erros aqui e ali (o Luis Filipe voltou a nao trazer nada de novo, parece), mas o mais importante foi a vitoria. Importante para manter o espirito forte, depois de uma derrota contra os bimbos e um empate que deixou a malta frustrada contra o Milan.

Mas agora, uma palavra de atencao. Ganhamos ao Shaktar, nada mais. Nao somos campeoes europeus, nao ganhamos a taca UEFA, nao temos nada. E' preciso nao voltar a entrar em euforias desmedidas. Petit, eu tambem acredito que vamos ate' 'a final, mas pensemos num jogo de cada vez. Mas e' pena que a equipa so' tenha 'acordado' para as tacas uefeiras nos ultimos 2 jogos... esta equipa tinha capacidade para arrumar o celtic em 10 minutos e ganhar ao milan na luz. foi pena.

Tambem foi pena o Adu nao jogar, ja' que o rapaz esta' habituado a estes frios: viver em DC e Salt Lake no Inverno nao e' propriamente o mesmo que passar ferias no Algarve... Nao que o rapaz trouxesse algo de novo, mas acho que o rapaz tem jeito para a bola.

Finalmente, o Veiga. Epa', obrigado pela blindagem do plantel na epoca do Trap. Obrigado pelos servicos prestados. Mas vir agora para a praca publica cuspir no prato onde comeu e' de gajo com muita ma' pinta. Haja paciencia Sr. Veiga. O LFV nao e' um mestre de gestao, mas e' o presidente do Benfica, cargo que o Veiga se esta' a por a jeito para tentar. Mas ai e' que a porca torce o rabo. Porque se me custa ter um Dragao de Ouro nos quadros dos corpos sociais do clube, nao admito que tal se passe no que diz respeito ao comando dos destinos da nacao. Passem os Micollis ou os Simoes que forem precisos, mas nao havera' um Dragao de Ouro sentado na cadeira presidencial do nosso clube.

domingo, 2 de dezembro de 2007

Bate-chapas e tinta Robiallac

Estive a espreitar os blogues vermelhos do costume, e contrariamente ao que aconteceu na quarta-feira, em que duas horas depois o mundo bloguista ja' espumava o champagne das vitorias morais, hoje esta' quase tudo caladito.

Na quinta-feira, depois da ressaca da vitoria moral ter passado e enquanto o orgasmo da exibicao ainda durava, perguntei-me: mas sera' que jogamos aquilo tudo porque somos mesmo muita bons, ou os gajos, 'a boa maneira italiana, estiveram a borrifar-se para o controlo do meio-campo e deram-nos essa zona para a gente brincar?

Ontem a coisa correu mal. O adversario fez pressao brutal sobre a posse de bola, e recuperavam-na ao fim de cinco segundos ou de dois passes. Absolutamente inacreditavel como jogadores profissionais parecem nao perceber que se o adversario esta' a pressionar em cima, a unica maneira de passar por ali e' dinamica (por oposicao 'a escolha de ontem, a estatica) - passar, correr, passar, correr, etc., etc.. O que me chateia nem sequer e' terem perdido (yeah, right...), mas terem oferecido a primeira parte 'a bimbalhada. Na segunda a coisa melhorou, mas fico com a preocupante sensacao: quando o Rui Costa nao carbura (e ontem nao carburou), e o treinador nao se sente confortavel para o tirar de campo (e ate' ver, nenhum se sentiu), nao ha' Cristian Rodriguez que chegue. Especialmente se o Leo nao pode subir (e, tambem, se nao pode descer... onde e' que o gajo estava no lance do golo? Aproveitou para dar uma rapidinha ate' ao Brasil? Erros de amadores em jogos fundamentais deviam dar direito a porradame.)
Nao me parece que o problema estivesse na defesa, nem no ataque. O problema e' que o triangulo do meio-campo, ou o raio que parta da figura geometrica que for, esteve mais naquela do limite de x quando x tende para menos infinito. O Bynia ao menos tinha posto ordem naquilo. Claro, ate' o Lucho se atirar sete vezes para o chao e tres minutos e doze segundos, e o 'arbitro expulsar o Bynia.
Outro aspecto do meio-campo que falhou, foi a cena de nao quererem dar hipotese de os gajos se atirarem para o chao, depois do festival de apito dourado da primeira meia-hora. (Da' gosto ver 'arbitros finalmente inteligentes para nao precisarem de roubar penaltis a cinco minutos do fim. Ah, e' verdade, nao foi o caso deste.) Cada vez que alguem respira a menos de cinco metros do cigano, falta. Se o Bruno Alves aterra em cima do Rodriguez, e' claro que e' falta do Rodriguez, ninguem o manda estar a brincar aos aeroportos da Ota na meia-lua do adversario.
Nao me parece justo, de todo, a critica de alguns jornais ao David Luiz por causa do lance do golo. Qualquer central do mundo, qualquer defesa do mundo, ali, teria duas opcoes: fazer falta (e esta' visto que era douradamente expulso), ou ser comido - o cigano teve vinte metros para pensar o que ia fazer, e vinha embalado. Tambem nao me parece justo bater no Nuno Gomes, ele falhou duas boas oportunidades, uma delas que da' vontade de bater, e outra o guarda-redes defendeu. Nao me parece que tenhamos criado tantas oportunidades que seja justo bater nos avancados. Alias, depois do jogorro que o Nuno fez contra o Milan seria sacrilegio tira-lo da equipa, mas tive a sensacao que o Cardozo seria uma melhor solucao para levar porrada da defesa do Porto.
E ja' agora, uma pergunta: se em vez de ele se chamar Di Maria e ter uma camisola vermelha, e tivesse uma camisola azul e se chamasse nao importa o que, ate' podia ser mesmo Di Maria; e se o gajo que se deitou em cima da perna dele, impedindo-o de correr, fosse do Benfica e nao dos bimbos; e se o lance tivesse sido na outra grande-area, so' nao aposto uma das minhas gonadas que tinha sido penalti (e que o Sr. Jorge Coroado, na sua douta sapiencia, teria concordado inteiramente) porque nao da' jeito nenhum ficar com tres. (Nao perdemos por causa do arbitro, perdemos porque jogamos mal como o raio. Mas a outra equipa nao ganhava sem a douradinha. Mas isso nao e' nada a que nao estejamos habituados.)

E agora um exercicio: vamos imaginar o forrobodo que certa agremiacao regional faria se mandassem um 'arbitro residente na Estrada da Luz, ali em Benfica, para arbitrar um Porto-Benfica. Hay cosas muy preciosas en esta vida.

(O Luis Filipe fez tanta porcaria durante tanto tempo, que mesmo quando nem joga tao mal comparado com os outros, a malta nao tem pachorra. Nelson, vem la' tu fazer porcaria que ao menos nao 'es branco e a malta sempre areja um bocado. Ou fixe, fixe, era mandar o Maxi para lateral, e trazer um extremo-direito decente para ajudar o Rodriguez a dinamitar.)